UNESCO, encruzilhada do mundo | Paris-Lifestyle by Aéroports de Paris

O edifício mais internacional de Paris mobilizou os grandes arquitetos e artistas do pós-guerra. Visita a não perder.

O Homem que Anda de Alberto Giacometti recebe, no final do grande hall de entrada, os visitantes da Unesco. Nada mais natural, já que « os homens em marcha » estão no coração da missão que se propôs, logo após a Segunda Guerra Mundial, a Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura. O seu credo: contribuir para uma cultura de paz, a erradicação da pobreza, o desenvolvimento sustentável e o diálogo intercultural através da educação, das ciências, da comunicação e da informação.

Ficou decidido em 1946 que a sua sede permanente seria em Paris. Após uma passagem pela avenue Kléber, a sede é instalada frente ao Champ-de-Mars e à torre Eiffel, no 7.º bairro. A tarefa de concepção do edifício é confiada ao arquiteto americano Marcel Breuer, autor do Whitney Museum de Nova Iorque. Ele trabalha com dois colegas, o francês Bernard Zehrfuss e o italiano Pier Luigi Nervi, engenheiro famoso pelas suas construções em concreto armado. Para a Unesco, Breuer se concentrou particularmente nas fachadas, no exterior dos edifícios e na concepção do mobiliário. Breuer, Nervi e Zehrfuss – apelidados BNZ – construíram desde 1955 um complexo em três partes. Colocado sobre 72 estacas de concreto armado, o primeiro edifício, em Y, tem oito andares que albergam os 800 escritórios do secretariado, uma biblioteca, uma coleção filatélica e numismática. O segundo edifício, com formato « em acordeão », abriga a grande sala onde são realizadas as sessões plenárias da Assembleia Geral. O último edifício em forma de cubo abriga cinco andares com escritórios.

Em 1965, Bernard Zehrfuss integra um quarto edifício com dois andares : escritórios no subsolo iluminados por uma série de seis pequenos pátios. O conjunto dá para uma esplanada com um relvado verde e uma escultura de Henry Moore, Silhueta em repouso. Na proximidade, existe uma grande obra de Calder. Os maiores artistas do século XX contribuem com as suas criações desde a fundação da Organização, tanto na parte interna como externa : Picasso com uma pintura, Miró com duas grandes cerâmicas, Isamu Noguchi cria o Jardim da Paz … Para celebrar os 50 anos da Unesco, o arquiteto japonês Tadao Ando concebe em 1995 o Espaço da Meditação : uma torre cilíndrica com o solo revestido com granito vindo de Hiroshima. Todas essas obras podem ser vistas pelo público, em visitas guiadas marcadas com antecedência. Da calçada da avenue de Suffren, uma floresta diferente pode ser avistada pelos transeuntes. São as 193 bandeiras coloridas dos Estados Membros da Unesco… .

7, place Fontenoy, Paris 7e (pour les demandes de visite, écrire à : visites@unesco.org).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *